segunda-feira, 27 de julho de 2009

A fila dos bancos

Poucos são os momentos de isonomia entre os brasileiros. Num país conhecido pelas grandes desigualdades e pela clara diferenciação entre as classes sociais, as filas são um dos poucos momentos verdadeiramente democráticos.

Nos supermercados, lotéricas, bancos, farmácias, estabelecimentos de lazer, aeroportos, não existe distinção de gênero, credo ou etnia, salvo os atendimentos preferenciais aos idosos, gestantes ou portadores de deficiência. Contudo, as filas dos bancos são um martírio, principalmente para o trabalhador que não tem tempo durante a semana e precisa sacrificar seu horário de almoço. Essenciais para a população, a maior parte dos bancos não oferece um atendimento nem mesmo satisfatório.

Uma rápida passagem pelas agências da cidade mostra as dificuldades por que passam as pessoas. Não menciono nem o tempo de espera, que já foi regulamentado pela lei estadual 10.993/2001, e raramente é cumprida. A discussão a que me remeto é a das condições a que são submetidos os que esperam para pagar suas contas.

A falta de fiscalização em Adamantina gera transtornos inadmissíveis. Filas desorganizadas que às vezes chegam às escadas e até mesmo à rua, colocando as pessoas ao sol, e morosidade no atendimento. Como se sabe, após a venda do Banespa para o grupo espanhol, outra instituição assumiu a folha de pagamento do servidor estadual.

Mas em Adamantina essa instituição não adotou as medidas necessárias para atender ao acréscimo de demanda. Caso semelhante ocorre no banco que se orgulha de estar completando 201 anos, mas que, com reduzido número de caixas, é um dos que mais demoram em Adamantina.

Outro ponto problemático diz respeito ao banco que ganhou a licitação da folha de pagamento do servidor municipal. Apesar de a demanda ter aumentado, parece que pouco esse banco investiu no bem-estar dos usuários de seus serviços e que esperam em pé por um tempo muito longo. Outra questão é o chamado “atendimento preferencial”, que em alguns bancos da cidade deixa idosos e gestantes em pé por mais de 15 minutos, descaso já fartamente conhecido dos vereadores.

Em 2005, os edis Cleusa Francisco e Celso Mastellini, por meio da lei nº 3.140, tentaram regulamentar a situação visando “dar atendimento digno e profissional aos clientes”, mas nem todas as agências locais cumprem essa disposição. Se existe lei, e ela não vem sendo cumprida, cabe ao poder público fazer com que o seja, porque de seu cumprimento dependem milhares de adamantinenses.

9 comentários:

Cáh disse...

Exato.

Se existe lei, aonde ela está?
Desde quando leis são colocadas em prática em Adamantina?

Nem filas em bancos, nem estacionamentos [ o local reservado para motos na Cap. J. Antônio de Oliveira é utilizado por carros] nem mesmo sinais de trânsito.

Prendam o ladrão de galinhas, cobrem altos impostos, reclamem a falta de sol e excesso de chuva! Ninguem parece estar preocupado com outras coisas a não ser estas bobagens.... O desrespeito à sociedade é escancarado nesta cidade.


Abraços

Bruno Pinto Soares disse...

Oi Camila,

Ótimo comentário.

A cidade mantém problemas que afetam o dia a dia do trabalhador e que, por parecerem menores, o poder público não da a devia atenção.

Talvez alguns artigos abram espaço para uma maior reflexão.

abraço

Mauro Cardin disse...

Oi, Bruno!
Seria bom que prefeito e vereadores lessem seu artigo e tomassem providências. Você tem razão, a espera nos bancos em Adamantina está exagerada e já faz tempo. Há uma semana, no banco em que trabalhei, depois de esperar um tempão (sentado, felizmente) e de ver diversas pessoas passarem na minha frente, fui embora muito irritado, não sem reclamar de uma forma até bem incisiva com uma funcionária (minutos após ligaram para mim, e me atenderam; por telefone).
Uma sugestão. Converse com um designer para dar uma ajeitadinha na página. Há alguns problemas. A cor de fundo, por exemplo, está me parecendo muito forte, a legibilidade não está muito boa. Num toque de mágica alguém da área deixa a página superlegal. Parece que você está querendo “reativá-la”, não é mesmo?
Abração, e leia a sugestão com uma doce música de fundo, já que a faço com espírito de companheirismo e com a consciência de que sou o maior dos leigos em imagem (acho que em tudo o mais... rsss)
Mauro

Bruno Pinto Soares disse...

Olá Mauro,

Não sei se esse artigo sensibilizará nossos edis. É certo que eles conhecem a situação dos bancos de nossa cidade, pois em certos dias os usuários fazem filas nas calçadas.

Já encontrei até o Presidente da Câmara em um desses dias. Comentamos sobre a situação, mas pelo jeito nem foi discutida em alguma sessão ou com as autoridades competentes. Nem os jornais da cidade levantaram a questão.
Pode ser um problema menor na cidade, mas afeta diariamente a vida da população.

Sobre o Blog, os problemas com a imagem dependem da configuração do computador. Sobre a cor, podemos conversar depois, é importante as mais variadas impressões.

Espero que o Blog entre em uma nova fase. Precisamos de seus textos aqui para enriquecê-lo.

Grande abraço

fazmerir.com disse...

as regras (leis) não são cumpridas pelos bancos por que os interessados (os clientes) nada fazem para fazer com que o descaso acabe.

Se os clientes e o poder público não cobram medidas por parte dos bancos, é obvio que os homens do dinheiro vão continuar a ficar de sacanagem com a gente...

Não adianta termos leis, precisamos dar legitimidade a elas, seu artigo já é um bom começo =p

abraço
Tiago

TyTy disse...

Não costumo utilizar muito o banco, mas posso dizer que as poucas vezes que fui, enfrentei a mesma situação, filas, demora, as vezes apenas 1 caixa atendendo para mais de 10, 15 pessoas na fila, um descaso. Hoje prefiro fazer tudo pela internet, poderiam ufruir melhor desse meio, já que na internet, você não enfrenta fila e consegue fazer praticamente tudo o que faria se estivesse numa agência, mas pelo que sei e pelo que ouço,raros são os gerentes/funcionários que orientam quem abre contas novas e quem já possui a mutio tempo, a utilizar esse meio, talvez por falta de informação e/ou treinamento ou mesmo por falta de interesse.
Acredito que mais, por falta de interesse.

TyTy disse...

Ah, ia me esquecendo outro assunto que merece um post é o trânsito em nossa querida cidade.
Abraços Bruno

Bruno Pinto Soares disse...

Fala Tiago,

Vc está com a razão. Mas na verdade poucas são as pessoas que buscam seus direitos. Eu mesmo passei por inúmeras filas até escrever esse artigo.
Acredito também que o poder público deva ser mais atuante. A população deve sim fiscalizar e cobrar, mas as autoridades de Adamantina sabem muito bem o que se passa nos bancos.

Na verdade não querem enfrentar o problema, envolver em uma situação espinhosa. Se o povo não reclama, como você mesmo ressaltou, deixam tudo quieto.

Abraço

Bruno Pinto Soares disse...

Grande Tyty

Fico feliz em tê-lo aqui. Sei que vc pode contribuir muito nas discussões.

Vc tocou em um ponto importante. A informatização dos bancos é um meio eficaz de diminuir as filas. Mas a realidade é outra. Poucos tem esse conhecimento. Há dificuldade em fazer trabalhos simples em caixas eletrônicos. Os bancos poderiam investir nesse meio, pois o problema das filas não é, de maneira alguma, especificidade de Adamantina.

Mas partindo para algo mais palpável, se todas as agências tivessem o sistema de senhas e cadeiras de espera, como ocorre no Santander e na Caixa Federal, a situação já estaria melhor.

Grande abraço