quinta-feira, 24 de julho de 2008

E agora! Em quem devo acreditar?

O momento é mesmo de reflexão. E, desta reflexão, deve emanar nosso espírito cidadão. A sociedade clama por justiça social, no entanto, nada adiantará continuar rezando por isso. É preciso participar!
Mas como devemos participar? Como devemos agir? Como iremos suportar as “propostas de sempre” em um país onde tudo é faz de contas? Simples. Seja cidadão, exerça seus direitos e cobre ação dos candidatos.
A mesma ladainha de sempre, como sempre, aparece novamente e só você, cidadão, poderá responder ao apelo de toda uma comunidade. Justiça social não é só habitação, saúde, esporte ou lazer e sim muito mais do quê isso. A participação, defendida pela sociedade democrática de direito, é essencial para este processo.
Não se deixe levar por festas, comentários maldosos ou sequer aquele “brinde” ou ajuda de custo, que sempre aparece de quatro em quatro anos. Essa síndrome deve acabar. Nosso município merece ficar livre desta doença.
Neste jogo político, como em uma partida de xadrez, as opções de movimento são muitas, mas cada um deles deve ser estrategicamente realizado. Um único peão pode significar a derrota e, nem sempre, ter a vantagem de uma rainha é decisivo. Mas todo cuidado é pouco, sobretudo em um mundo globalizado, onde a concorrência é palavra chave e nem sempre o mais fraco perde.
A experiência e análise contextual devem ser levadas em consideração, mas a ética, preferencialmente a de princípios, deve estar em primeiro lugar. O voto é a chave para todo este enigma. Decida e não doe. Cobre, mas não seja comprado. Analise, mas desconfie das promessas de sempre. Vote consciente e faça uma sociedade melhor.
Nestas eleições, todo cuidado é pouco, principalmente, quando precisamos conviver com os antigos dogmas de uma sociedade marcada pelo coronelismo, perseguição e corrupção. Participe deste processo e lute por uma mudança radical, opções nós temos.... Agora, só depende de você.

3 comentários:

Sebar disse...

O momento é para muitas reflexões com centenas de perguntas e raras respostas sobre o cenário político, neste caso em pauta, mais para picadeiro politiqueiro, portanto, cada um pra si e salve-se quem puder...

bruno pinto soares disse...

Everton,

É complicado pensar em grandes mudanças quando vc percebe a mesma política de sempre. Candidatos pouco preparados e, principalmente, população alheia a todo processo.

Em relação ao nosso executivo, percebo que não haverá grandes emoções e que a escolha será acertada, pois Adamantina está caminhando bem. Todavia, me preocupo com o legislativo. Figuras pitorescas ganham um grande apelo popular em momentos como esse.

Agora, como trabalhar esse processo de conscientização política? Esse blog ou mesmo os jornais da cidade tem pouca abrangência na maioria dos segmentos sociais. Quem lê artigos?

A questão passa, necessariamente, na educação. Deveríamos ter um belo trabalho organizado com a FAI. Esse trabalho pode ser levado a cabo nso próximos quatro anos. Veremos se haverá vontade política.

abraço

Everton Santos disse...

Realmente! Falta vontade política, as figuras são pitorescas... tem candidato pra todos os gostos, mas o que não podemos deixar de tratar são as barreiras impostas pelo atual sistema político que, de certa forma, impede a participação de parte da população no processo eleitoral. Eu, num passado não tão distante assim, enfrentei estas barreiras... mesmo com poucas chances, queria discutir, buscar e propor melhorar, participar, mudar, mas os tradicionais corruptos e "donos de legenda" tentaram usar isso e mais aquilo como moeda de troca... aí não dá.... aí não pode!